sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Da concepção de Ares

De Lária. Tradução livre minha.
http://eternalhauntedsummer.com/index.php?p=1_17_The-Conception-of-Ares

A concepção de Ares

Ela passou suas mãos sobre seus ombros nus e beijou seu pescoço. Ele, cansado de trovejar, só pode levantar suas mãos em meio protesto. Não deveríamos – os outros – Hera, seja razoável, ele sussurrou, antes que ela beijasse seus protestos de seus lábios e levou seus dentes ao nariz dele. Ele colocou suas mãos em seus cabelos, e sobre sua pele alva, e a beijou. Os tecidos dos tronos foram ao chão, junto com seus corpos que entravam em harmonia e o rei e a rainha dos deuses se amavam de novo.

Eles eram apaixonados. Ele não podia resistir a ela; e ela sempre tinha prazer em vê-lo novamente. Ela é o semelhante dele – ele rege os homens, ela, as mulheres. Eles viviam e riam e amavam juntos, e geralmente, perdiam dias em seus prazeres. O trovão rugia entre eles, duas forças colossais da natureza juntavam-se, beijando-se e se tocando. Eles não apenas faziam amor: faziam guerra com seus corpos, faziam o caos com suas almas.

Foi sob essa influencia que Ares foi concebido. Hera sentiu sua luxúria pulsando antes que ele nascesse: ele a levou a Zeus, muitas e muitas vezes. Os beijos dela se tornaram mais afiados – ela tirava sangue, e não se satisfazia facilmente com o sabor dele em sua boca.

O que estou me tornando? Quem estou me tornando? Ela perguntava a ele, quando ele se distanciava. Seus belos lábios foram cortados pela paixão dela – mas ela não se sentia culpada. A fome fazia seu corpo tremer, fazendo um fogo ir dela para ele, dele para ela e o fogo entre ambos tinha uma chama muito alta. Mas, enquanto Zeus se esquivava desse fogo, se protegendo das chamas, mais ela ia em sua direção.

Eu não sei, ele diz. E isso era tudo. Ela foi para cima dele, com raiva, luxúria e necessidade, e ele a deixou.

De fogo, ele foi concebido; e no fogo ele nasceu: com esse primeiro golpe, com essa primeira batalha, as lanças se levantaram. O olhar de Zeus se perdia enquanto Hera gritava e se esforçava para trazer essa criança à luz. Zeus beijou outras mulheres enquanto Hera segurava seu belo bebê nos braços, o punha ao seio; e Ares se prendeu à pele dela. E enquanto seus dedos firmes agarravam a pele de Hera, Zeus fertilizava um outro ventre.

As nuvens, como sempre, se dispersaram; mas não sem a manifestação da ira de Hera acontecer e uma outra mulher morrer. Ares ria, seus olhos brilhando com amor e ódio, enquanto o olhar de seu pai ia para outro lado. Ele entraram em seus papeis por sua própria conta – ela golpeando, ele retrocendendo – agora isso não poderia ser desfeito. Tudo que Hera tinha para consolá-la era Ares, seu amado Ares; e então Zeus voltou para ela com sussurros de amor, e ela se deixava perder nele novamente.



[Laria é uma polisteísta helênica e assim vem desde junho de 2009. Tem devoção particular a Afrodite-Ananke, Ares e Rhea-Kybele, entre outrs. Ela escreve poemas e ficção há 6 anos e pode ser contatada por email.]

Um comentário:

([salix sam]) disse...

Parabéns Georgia! \o/