segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Ensinar e aprender

Streghe aprendem de muito lugares.

Aprende da família e dos Ancestrais. Aprende do plano espiritual. Aprende do lugar onde vive. Aprende com os outros praticantes do ofício. Aprende com outros que também estão aprendendo. Aprende de quem estuda História, Antropologia, Religião. Aprende da Arte. Aprende da Matemática. Aprende de gente que mora lá longe (viva a Internet!).

Eu vejo isso sempre. Eu converso com meu pai... eu recebo os toques dos Ancestrais em rezas e meditações. Os Deuses se mostram em seus sinais na Natureza e nos contam seus segredos. Aprendemos com o que o gato faz... aprendemos com a sazonalidade das frutas.

E por isso tudo, eu quero fazer minha parte. Ensinar e aprender. Dialogar e conhecer o que está lá fora. E por isso, eu me meto nas coisas... Palestras, workshops, aulas, leituras, rodas de conversa, textos... muitos textos. É para mostrar o que eu sei. É para saber o que os outros pensam e também sabem. É para melhorar o que eu sei. É para mostrar que as pessoas não estão sozinhas em seus caminhos. É mostrar que ser diferente é ok. Eu ouço... traduzo boas ideias... penso longamente sobre o que eu leio... e acaba sobrando para os blogs, para as palestras... e o movimento de reflexão vai e vem.

Sabe, Zeus que me perdoe achar que eu sou a pessoa que vai fazer uma pessoa decidir ser strega... ou bruxa, ou pagã, ou taróloga, ou mesmo, professora. Não! A minha vontade e o meu movimento quando estou em todos esses lugares, conversando, ouvindo, compartilhando o que eu sei e estudo é de divulgar possibilidades. E de, talvez, colocar um pulguinha atrás de suas orelhas para que possam, com responsabilidade, trilhar seus caminhos. Não acredito que nenhuma das pessoas que esteve nas minhas palestras, de 2001 até aqui, se tornou strega por minha causa. Mas acho que muita gente teve o que pensar. E eu digo com a maior alegria: eu tive muito o que pensar, encontrando todas as pessoas que eu encontrei. Aprendi mais receitas para lidar com curas e olho-gordo, por exemplo. Dicas de decks de tarot... receitinhas gostosas de biscoitinhos.

Aprender é abrir-se para novas ideias, conhecimentos e conceitos. É com esse material bruto, construir seus próprios meios de compreender o mundo. Em alguns momentos, dependemos sim da teoria e do estudo acadêmico. São nossos ancestrais teóricos. E graças aos Deuses que eles existem ou existiram... Carlo Ginzburg, Karl Kerenyi, Joseph Campbell...

Ensinar é estar aberto para compartilhar o que se sabe, o que já se passou... É entender o que os alunos já sabem e partir daí para fazê-los conquistar um patamar mais intrincado, uma ideia, uma hipótese mais coesa.

Isso não termina... começa, mas não termina... Ler, escrever, experimentar... sempre temos uma coisa nova para perceber. Sempre!

Ser professora é coisa de tempo integral. Não se relega à sala de aula ou ao banco da cozinha ensinando poções. Somos o que somos o tempo todo.

Assim, deixo os convites abertos a quem quiser conversar coisas bruxas e tarotísticas comigo... Convenção de Bruxas de Paranapiacaba em março... CWED em junho... Chá de Tarot em fevereiro... Festival das Faces da Deusa em março... Confraria Brasileira de Tarot em julho... quem vem? Levanta a mão!

4 comentários:

Rachel disse...

Olha, como já falei pra você, casou perfeitamente com o que vinha pensando.
Os encontros e desencontros, e muito aprendizado têm me feito pensar seriamente nessa questão de trocas, ensinar, etc.
Acho que esse ano está sendo mega produtivo! =)

Luciana Onofre disse...

"Aprender é abrir-se para novas ideias, conhecimentos e conceitos."

Amei essa assertiva... e eu digo que tens toda razão, aquilo que vai por dentro e não é repassado morre qdo morremos... claro que há de se ter equilíbrio no q relatamos, afinal há tantos olhos e ouvidos não sintonizados nesse nosso canal de fazer aprendendo e repassando...

E para quem não compreende por vistas curtas a razão/necessidade em estar em contato, em fazer parte eu digo um simples "pt. saudações".

Amei o texto!!!

=*

Pietra disse...

Obrigada, meninas...
Se estamos abertas para a interação, temos limites mais elásticos e acabamos fazendo bem para nós e par as pessoas!

Tere Marques disse...

Sábias palavras Pietra,
quando nos abrimos para o Universo, para aquilo que buscamos, simplesmente as oportunidades aparecem.
Me mudei a pouco para Sampa e é maravilhoso ver quantos encontros acontecem por aqui, quantas possibilidades.Muito em breve espero conhece-la e a todos.
Sigamos conectadas nessa imensa teia da vida.
Bençãos dos Antigos