sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Nanta Bag e altares portáteis

Quem já leu algum trabalho do Raven Grimassi sobre stregheria já ouviu falar do tal Nanta Bag (na tradução literal, saco Nanta), uma sacolinha que conteria miniaturas dos objetos mágicos das streghe, que estão sempre a mão para o caso de uma emergência.

Eu não conheço nenhuma streghe que segue a tradição do Grimassi, então não posso afirmar se é verdade ou não que elas carregam isso. Mas eu e as meninas deste blog conhecemos uma strega que tem não um Nanta Bag, mas um "congá de bolso".

Congá é o termo que os umbandistas usam para altar, o ponto de força central do terreiro. A Carol, nossa amiga devota de Oxum e Iemanjá e companheira de estudos helênicos anda com um mini-altar na bolsa, como vocês podem conferir aí na foto. O artefato, segund ela, existe há uns treze anos. Ele fica no bolso do porta-moedas.

O saquinho da Carol serve para proteger e manter, sempre por perto, objetos sagrados e importantes. Não são, necessariamente, instrumentos mágicos para uma emergência. Mas na hora em que ela mostrou para nós, na mesa de um bar em São Paulo, tivemos a mesma reação: "olha, ela usa um Nanta Bag". E lá vamos nós explicar o que era o tal saco... rs

Eu não uso um saquinho assim, tão arrumadinho e com tantos objetos. Mas costumo andar com uma pulseira com olhos gregos (presente das minhas amigas), uma réplica de dente montada em pedra e meus vários anéis de prata. De vez em quando ainda coloco no pescoço um achado que a Carol fez numa casa de umbanda: uma pequena foice, símbolo do planeta Ceres e, por conseqüência, da minha deusa regente.

Mais algumas fotos no nosso Flickr!

Cada um tem seus objetos sagrados por perto de um jeito. Qual é o de vocês?

2 comentários:

Pauline disse...

Hmmm, minha família costuma carregar na carteira as sementes de romãs ou uvas, uma uva para cada mês do ano ou 12 sementes de uma romã colhida em casa, secas ao sol do primeiro dia do ano.

Carrego comigo um folheto de Santo Expedito, uma sementinha vermelha que recebi de uma cigana, e uma gema, que escolho de acordo com a intuição para o dia. Eu até gostaria de levar mais coisas, mas sempre há o risco de perder ou ser roubado, prefiro deixar as coisas mais importantes em casa. Vez ou outra carrego meu tarô também.

Eu acho legal a idéia do saco Nanta, pois ele pode servir para fazer rituais, coletar ervas e até é uma espécie de amuleto. Uma bruxa precavida vale por duas, rsrsrsrs.
Beijos!

Pietra disse...

Andar com um coração de âmbar no peito e ter meu pentagrama e a minha entrada no oráculo tatuada... tb amo andar com meu deck Alchemical Tarot.