sexta-feira, 20 de maio de 2011

Uns pensamentos de strega

Hoje me caiu a ficha bem direitinho do que é uma pessoa que espalha a jettatura, o mal olhado, o encanto (ser malfazejo pelos olhos e pensamentos). Demorou, mas os Deuses mostraram - eita, Hermes!

Então, eu fico aqui pensando e aceito mts opiniões para pensar... Será que nos atraímos ao encantador ou ele que nos toma e a nossa percepção é o que nos desperta?

Com um galho de arruda, pimenta e sorveira,
Pietra

3 comentários:

Ishiaro disse...

oi... jettatura, malfajejo...
o que são essas coisas Pietra?
Sobre o mal olhado, liga pra essas coisas não...:)[coloca uma fitinha vermelha, costuma resolver...]
no fim, sempre vc tera sorte, tanta sorte que ainda assim, ira atrair pessoas assim.
bom, se cuida.

Abraços,

Ishiaro.

Jorge Puente disse...

Olá Pietra: hoje, atualmente, agora (ahorita...) trabalho com a idéia que tudo somos nós que criamos (idéia bem antiga, digamos de passagem).
É a base que uso nas minhas consultas. Acho prática porque te devolve o poder e vc pode desfazer qualquer coisa negativa...:)
Já opinei o contrário (tempo atrás...)
A gente muda de opinião...
Um abraço

Jorge
Mago de Encantamiento

Carol disse...

Olha, eu acho que sempre existe a fome com a vontade de comer, sabe? Tipo, o lado que nos faz buscar alguns trabalhos e com ele ganhar luz e exposição, vitrine e até um certo tipo de status e referência por aquilo que fazemos tem a contraposição natural de ser uma eterna fonte de inveja e mal olhado, quebrante, como moscas que são atraídas pela lâmpada, sabe? É intrínseco, não dá para separar.

Agora, em contrapartida, essas coisas só nos pega porque em algum ponto, por minúsculo que seja, a densa vibração e energia encontraram uma fresta para se instalarem. Assim, podemos ser mais ou menos tomado, a medida que detectamos essa lacuna... e quão sensível ela é em nós.

Acho que a reflexão boa nisso tudo é: não podemos estar o tempo todo, 100% seguros e convictos, sem vulnerabilidades e frestas em nossa alma; porém, podemos aprender com elas a sempre nos talharmos cada vez mais, como aços forjados no ardor, para estarmos cada vez mais afiados, cada vez mais calejados, cada vez mais imunes a esse tipo de coisa.

PS: Carolinações de uma strega umbandista, hahahaha