sexta-feira, 3 de junho de 2011

Ancestrais de prática

Antes de tudo, uma strega é uma mulher sábia, uma curadora... de si e dos seus.

Hoje ou ainda hoje, quando chamamos uma mulher de bruxa, ou de strega, corremos um risco de causar um certo mal-estar, uma vez que, meus ancestrais de sangue vem de uma terra na qual fica o Vaticano.
Ser bruxa, carregar esse título é uma coisa que nossos filhos e netos e talvez bisnetos utilizem com o bom sentido que acreditamos e sentimos... até lá, somos talvez as primeiras que "curtam"  essa coisa toda.
O fato é que existimos e faz tempo. E aí estão nossas ancestrais de prática. Tanto daquelas que conheciam suas cidades, comunidades e ancestrais - sim, porque não? Porquê, afinal, muitas tradições são mantidas assim.
Casa de bruxa
http://norke.deviantart.com/
Tanto as sacerdotisas dos Deuses que hoje cultuamos e que nos ensinam como fazer esse trabalho, compartindo seu conhecimento espiritualmente na lua cheia, quanto as que conheciam as mesmas ervas que nós.
O que eu vejo, em muitos casos, tanto gregos quanto romanos, diferente dos etruscos, por exemplo, é que as mulheres sábias e curadoras, nem sempre eram as mesmas que as sacerdotisas dos nossos muitos Deuses. Já entre os etruscos, os auguri eram tanto curadores quanto sacerdotes.
Eu sinto sim uma diferença em termos de trabalho com a minha ancestralidade. Na minha família, é passado um trabalho de cura espiritual, que foi passado por quem o exercia antes de mim. Fato é que meus ancestrais que ensinaram isso não eram pagãos e não cultuavam os deuses como eu.
No caso do culto aos deuses, me sinto próxima às antigas Pítias e seu trabalho de oráculo em Delfos e peço a elas e Apollo que me inspirem quando vou fazer meu trabalho de oráculo.
E entre esses dois caminhos, estão todos os outros que, ao longo do tempo, rezaram a tantos deuses e santos e que fizeram o seu melhor pela saúde de suas comunidades. É aqui que estamos hoje, como streghe do séc. XXI.

Pietra

2 comentários:

Nion disse...

Também sinto falta desta "tradição", a familia de minha mãe costumava manter algumas práticas cristãs não muito ortodoxas em termos de benzimentos e outras práticas que se aproximam mais de magia popular do que de bruxaria.

Carol Carvalho (Carol Yara) disse...

Posso linkar esse texto em blog Cucina Strega? É excelente!