segunda-feira, 13 de junho de 2011

Construções e identidade

Pensando em ancestralidade de local e de sangue, fiquei pensando no que é um registro físico dessa identidade ancestral. E me deparei com construções. Incrível como existem construções milenares, ainda em pé, que mostram muito claramente quem é um povo, ou qual foi a cultura de um grupo de pessoas e como podemos nos identificar com elas.
 
Eu penso, no meu caso, em Delfos e em como aquelas ruínas ainda falam. Eu imagino poder colocar o pé naquele lugar e sentir o que se sentiu um dia, e estar onde as pítias puderam estar e dividir aquela terra com tantas outras como eu, por algumas horas. Eu imagino que isso deve ser catártico.
 
Penso também na oportunidade que eu tive de ir para Chitchen Itzá, no México e estar naqelas ruínas relifiosas de centenas de anos, e, embora minha ancestralidade não relacione-se diretamente com os astecas, com eles e estando naquele lugar, aprendi muito sobre um olhar muito mais divino da morte e como estar entre povos indígenas nos mostram coisas importantes sobre a Natureza e como viver com a Criação que nos cerca.
 
Por fim, eu fico pensando nos legados que se mostram por construções. O que podemos falar de São Paulo frente a grande mudança arquitetônica que ela passa? O centro mostra História e me faz pensar sempre que vou ali em José de Anchieta com os índios e São Paulo nascendo... e fico pensando nos meus bisavós andando naquelas ruas e talvez usando aqueles prédios... É disso que somos feitos... de passos e de estadas...
Pietra

3 comentários:

S. Thot disse...

A gente que partir para ver nossa casa com outros olhos, não Pietra?

Tal qual você, pensei nestas coisas quando viajei a Minas, tentando reconhecer nas cidades que via algo de familiar. Em Ouro Preto a cada 10 metros da cidade velha uma placa revelava algo da história de determinada casa.

Quando voltei me perguntava, andando pelas ruas de meu bairro, que placas colocaria nelas falando sobre meus antepassados que nelas caminharam.

aline disse...

http://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150240139942249.345434.141391897248

Olha Pi! Li seu post, depois em seguida vi estas fotos... relacionei na hora!
Mesmo em fotos dá prá sentir a vida pulsante nas ruínas, ainda... é só parar, respirar fundo e sentir!

Bjos!

Pietra disse...

Adoro essa vila, Aline... é Marte ali... zelando por quem viveu ali!
Obrigada por compartilhar.