quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Labirintos

Estamos labirínticas.

Desde que a Sarah Filhote de Lua descobriu como se desenha labirintos, nós três acabamos entrando nessa.

Hoje eu consegui, pela primeira vez, desenhar um labirinto em que dá para seguir direito até o meio e voltar. Os meus estavam sempre com becos sem saída. Depois vou postar a foto do meu desenho, feito a caneta esferográfica durante uma palestra sobre consumo na internet - tuuudo há ver, né?

A Pietra nos mostrou uma arte dela, feita com base em um modelo que a Thalia Took colocou em seu blog (a Thalia - olha eu íntima das pessoas! - também está numa fase cretense). Ai vai uma foto, para vocês conferirem:




Quem quiser pode baixar o modelo de labirinto clicando aqui!

Aguardem que, provavelmente, teremos mais sobre esse símbolo vindo aí!

7 comentários:

Pietra disse...

Estamos amarrando nossas linhas e seguindo nos labirintos para não nos perdermos!

Green Womyn disse...

Era isso mesmo que eu ia perguntar... Qual o objetivo dos labirintos que vocês estão fazendo?

Adoraria saber mais sobre eles!

Sei que há pessoas que constróem jardins em forma de labirinto...

Inês Raven disse...

da minha parte é pra relaxar, pra deixar a cabeça vagar por ele e pensar em outras coisas fora do meu dia-a-dia.

muita gente usa o labirinto pra meditar. ou usando um diagrama em papel, ou em jardins mesmo. eu queria poder andar em um assim... ia ser tão legal! rs

Pietra disse...

Ia mesmo... quando a Thalia (Pietra tb íntima das pessoas) fez o primeiro, na hora eu comentei no blog dela que ia ser mt legal fazer mais para que a gente meditasse sobre as cores, os contornos e coisas assim... Foi ai que ela fez o layout e eu fiz minha pintura. E a fiz pensando nas coisas que estão dentro de mim e por onde eu passo quando passeio na minha cabeça, na minha alma.

Ratazana disse...

A gente costuma ver por aí mandalas usadas como isntrumentos para meditação de forma passiva: vc medita enquanto olha pra uma. Jung, porém, acreditava que o verdadeiro poder das mandalas estava em usá-las de forma ativa e, na verdade, não proposital: ele definia mandalas como imagens circulares e simétricas, e estudava os desenhos circulares desenhados espontaneamente por pacientes: Quanto mais os pacientes "melhoravam", no sentido de sua individuação ou da reestruturação do ego, mais simétricos os desenhos ficavam, até que quando a simetria completa era atingida (fazendo com o desenho fosse, enfim, uma mandala verdadeira) era sinal de que aquele processo estava terminado.

Labirintos não necessariamente são mandalas, é claro. Mas estão tão arraigados em nosso inconsciente... Que tipos de conteúdos serão trabalhados quando desenhamos labirintos repetidas vezes?

(Thais, que ainda não desenhou labirintos, curiosa pra saber o que isso despertaeria nela.)

Ratazana disse...

Obs.: Eu não consigo deixar de pensar que essa imagem de labirinto parece um cérebro.


Obs 2.: Eu vi a menção da Pietra no blog da Thalia Took! Chique!!! Hehehe...

Pietra disse...

Thais, que toque mais bacana esse da simetria...
Jung deveria ser canonizado.. eu o colocaria no meu panteão! hahahah

Eu quero ver se eu consigo desenhar algum...